Spoons

A Luiza continua falando peos cotovelos, o vocabulário dela aumenta progressivamente dia-a-dia. Do momento que ela acroda até a hora de dormir ela “narra” tudo o que falamos para ela. Ela começa o dia chamando “papai” ou m”mamãe” ainda no berço. Depois fala “bibite” para dizer que quer tomar leite. Geralmente a primeira coisa que fazemos é trocar as fraldas dela, se dizemos isto “vamos trocar a fralda” ela diz: “falda” e depois “xixi”. Ao ver o próprio pé, ela fala “pé” ou “meia” e assim vai:
Saindo do quarto e passando pela porta do irmão, ela começa a narração dos movimentos”
“pe” se referindo ao quarto do pedro,
“oi” prar quem estiver por perto,
“senta” pra sentar na mesa,
“tuti” pra suco
“pão”
“ovvv” pro ovo
“deche” pra descer da cadeirinha.
E se estivermos saindo, a contação continua: “papu u-u-u”, é o pedido para eu colocar a música no rádio, e depois “bala” porque viu o cavalo, “mé” porque viu o carneiro, “vovó” e “nono”, quando chega na casa deles.

***
Eu e o Pedro estavamos jogando memória e ele estava acertando muito mais do que eu, eu elogiei e perguntei como ele fazia para guardar o lugar das imagens. Ele respondeu como se a resposta fosse óbvia: “Eu estou memoriando, mãe”.

***

Depois do banho, enquanto eu escolhia a roupa que iria colocar na Luiza, ela ficou andando peladinha pelo quarto, de repente vejo ela fazendo força. Mais rápido do que qualquer herói de filme que quer salvar o mundo, “catei” ela no colo e encaixei a fraldinha. Deu tempo até de fechar a fita adesiva.