Viagens de carro e motorhome no UOL e na Orlando em Revista

Este mês sairam duas matérias com dicas minhas de road trips (viagens por terra). A primeira saiu no UOL VIAGENS. Eu falo um pouco de como foi minha vigem de motorhome com as crianças no Canadá e também minha visão sobre este tipo de viagem.

Viagens de Motorhome em família

Motorhome

A segunda, é minha coluna na Orlando em Revista, que se chama Na estrada com Crianças, desta vez falo dicas sobre viagens de carro em família.

NaEstrada

Esta edicão da revista tem também as novidades sobre as novas áreas do Harry Potter na Universal. E uma página dupla sobre a Andreza, blogueira apaixonada pela Disney que tem um blog super completo sobre o tema, chamado Andreza Dica e Indica Disney.OrlandoAndreza

Bom, e quem viajar de TAM este mês vai me ver lá na telinha, falando sobre minha primeira viagem com o Pedro! Veja aqui:

Video TAM PAtricia Papp

Viagem de carro para o Pantanal com crianças

Estrada Nossa viagem para o Pantanal foi de carro. De Curitiba até a Estrada Parque Pantanal Sul foram um pouco mais de 1300 km. Nós escolhemos ir de carro por 2 motivos: o primeiro foi por uma questão econômica. Quem tem 2 filhos sabe que comprar passagem para família toda pode ficar bem salgadinho. (A não ser que sejam compradas com antencedência e em promoção). O transfer entre o aeroporto e o hotel também ficaria bem mais $$$. Mas o motivo principal da viagem é que a gente realmente queria fazer uma viagem em carro em família. Como fazíamos quando éramos pequenos. Nós gostamos.

Viagem de carro

Esta é a placa que indica que animais silvestres podem atravessar a estrada. Vimos muitos, de diversas espécies ao longo da viagem.

VEJA UM POST COMPLETO COM DICAS DE VIAGEM DE CARRO AQUI

A ida foi feita em 3 etapas:

1º dia – Curitiba – Arapongas (380km):

Saímos perto das 20h de Curitiba (depois do expediente) e rodamos 5 horas.

Comentários: Achei que valeu a pena. As crianças dormiram e a estrada estava vazia (este trecho tem muitas cidadezinhas e bastante movimento de dia).IMG_0686bx

2º dia – Arapongas – Campo Grande (610 km):

Saímos as 7h da manhã e chegamos em Campo Grande as 15h (o fuso lá é 1h de diferença).

Comentários: Este trecho foi bem mais tranquilo do que imaginamos. A estrada no Mato Grosso do Sul é bem menos movimentada do que no Paraná e em São Paulo e tem menos curvas. É preciso prestar atenção aos animais que podem atravessar a pista, principalmente no fim da tarde. Vimos muitos tamanduás bandeira mortos.Viagem com crianças

  • Paramos para almoçar na estrada e comemos um churrasco muito bom;
  • As crianças adoraram um posto perto de Presidente Prudente cheio de esculturas de “animais gigantes”
  • Achei a estrutura dos banheiros dos postos, de forma geral, bem melhores do que quando eu era pequena): limpos, com papel higiênico.
  • Na estrada a temperatura estava cerca de 32ºC (2 dias depois pegamos perto de 10ºC)
  • Estradas bem sinalizadas e em bom estado de conservação.Viagem de Carro com CRianças

3º dia – Campo Grande – Estrada Parque Pantanal Sul (310km)IMG_0695bx

Saímos perto das 6h do hotel e chegamos na Ponte 20 às 10h30. Até a Estrada Parque Pantanal, toda a estrada é asfaltada. Ela fica entre Miranda e Corumbá.

Comentários: Saímos tão cedo porque neste dia tinha jogo do Brasil na Copa. Na ponte 24, pegamos um barco de navegamos pelo rio Abobral por cerca de 40 minutos para chegar no hotel. O jogo era ao meio-dia (horário local).IMG_0969bx

 

Liberdade de mudar os planos

Acho que uma das grandes vantagens de viajar de carro é poder parar quando quiser e ter a oportunidade de mudar os planos. Eu nunca cancelo ou altero uma viagem de avião, por exemplo, por causa dos custos que isto pode acarretar.

Bom, nesta viagem, mudamos nossos planos e decidimos ir para Bonito ao invés de voltamos para casa. A principio eu pensei que não valia a pena pois seriam pouco tempo. Mas depois de pensar um pouco e ver que Bonito ficava a cerca de 150 km de onde estávamos, decidimos ir. Foi incrível, a melhor coisa que poderíamos ter feito. Mas isto já é outro post.

Emas que vimos na estrada

FAQ ou 5 perguntas sobre a viagem uma viagem de carro longa em família:

  1. Não foi cansativo?

    R: Foi bem menos cansativo do que eu imaginava que seria. Na verdade foi muito bacana. Acho que a família acaba ficando mais unida depois de uma road trip

  2. As crianças não brigam?

    R: Brigam. E o pior, parece que sempre que estamos entrando em uma cidade ou em um local onde nos sentimos meios perdido e precisamos prestar mais atenção, eles brigam mais. Quando isto acontece é irritante!!! Aliás, no começo da viagem, parece que eles ainda não tinham encontrado o espaço deles no carro. Um incomodava o outro. No fim, estavam super “encaixadinhos”, dormindo, brincando, se divertindo.

  3. Você tambem dirigiu ou só o seu marido?

    R: Eu dirigi, por algumas horas, tanto na ida como na volta.

  4. Como distrair as crianças em uma viagem tão longa?

    R: Algumas brincadeiras são “clássicos” nas nossas viagens (carro vermelho, plaquinha, “pessoa, lugar ou objeto”, qual é a musica…), mas nesta viagem descobrimos várias novas em um jogo de cartas com 52 brincadeiras da minha mãe! A família aprovou!!! Uma das brincadeiras que fez sucesso foi: as crianças escolhem 3 palavras que ninguém pode falar até o fim da viagem (por exemplo: carro, mãe e fome). Aí, um tenta fazer o outro falar estas palavras. É muito divertido!!

    Além das brincadeiras, aproveitamos para colocar o papo em dia, conversar sobre as expectativas do destino, dormir, e quando bate tédio, dar uma parada para tomar um sorvete e esticar as pernas.

  5. Vocês usaram mapas? Como sabiam onde tinha um post ou um restaurante para comer?

    R: Antes de ir perguntamos para amigos que ja fizeram este trajeto, para outros que moram na região e no hotel qual estrada era melhor. Durante a viagem usamos o googlemaps no celular mesmo.

Mapa e brincadeira

Outros posts sobre o Pantanal:

Hotel no Pantanal: Xaraés

10 animais que vimos no Pantanal 

 

Viagem de carro para Pantanal

Dicas para quem vai viajar de carro com a família nestas férias

Umas das primeiras viagens de carro do Pedro com a bóia-banheira inflável

Eu tenho uma teoria que é que a gente lembra muito mais das viagens de carro do que de avião. Não do destino, mas do trajeto em si. Quando penso nas viagens que fiz, lembro de uma massaroca de pernas dos irmãos, travesseiros, brincadeiras, conversas sem fim. Lembro também da gente deitado, um no colo do outro e minha mãe dizendo: “gente, olhem só que paisagem mais linda”, “olhem este campo florido, todo amarelo”, “que lindo o telhado daquela casinha”… e por ai vai. Por mais que eu tentasse controlar minha curiosidade, eu acabava me levantando para olhar pra fora.

Eram outros tempo, viajar de avião era muito menos acessível. E de carro, a gente ia pra lá e pra cá. Uma das primeiras viagens que fiz quando era criança foi para a Serra Gaúcha, Gramado e Canela. Perdi as contas de quantas vezes fomos para Foz do Iguaçu. Depois fomos de carro, conhecendo o litoral, de Curitiba até Porto Seguro. Fomos para a Pousada do Rio Quente em Goiás, para as cidades históricas de Minas Gerais, Pantanal, fizemos mais uma viagem até o Nordeste, desta vez, até Recife.

E a mais longa e épica, fomos de Curitiba até a região dos lagos, no sul do Chile acampando (mas esta história vira outro post).

Depois, quando eu já era maiorzinha (rsrsrs) fiz uma viagem de carro longa pela Europa por diversos países como França, Alemanha, Austria, Itália, Suíça, alguns trechos pelos Estados Unidos (Entre Wisconsin, Detroit e Chicago) e uma viagem com meu irmão pela Highway 1, entre San Diego e San Francisco.

Com os meus filhos ainda não fiz muitas destas viagens, as passagens de avião são muito tentadoras e não tenho conseguido tirar períodos de férias tão longos. Mas já nos aventuramos por alguns trechos como Curitiba – Foz do Iguaçu ou até as praias de Santa Catarina e pequenas rotas no nordeste (entre Sergipe e Alagoas).

Independente da distância, ou da região, tem algumas dicas que eu acho essenciais para uma viagem de carro em família. Aí vão elas:

  1. Saia bem cedo de casa, quanto antes melhor. Eu lembro de odiar isto quando era pequena, mas vale a pena. Não é tão quente e rende mais. Principalmente em véspera de feriado quando as estradas ficam lotadas.
  2. Evite qualquer salgadinho/bolacha/snack/doce com cores e cheiros artificiais. O carro fica uma bagunça e o cheiro fica impregnado. E pior, as crianças podem ficar enjoadas.
  3. Faça paradas e OBRIGUE seus filhos a fazerem xixi. Por princípio eles sempre vão dizer que não estão com vontade, mas se eles forem no banheiro, vão fazer.
  4. Leve um travesseiro bem confortável para cada um.
  5. Guarde jogos eletrônicos, celular ou DVDs como último recurso para momentos estratégicos, quando o tédio tiver consumido as crianças ou quando a estrada tiver parada.
  6. Aproveite para contar histórias, conversar, fazer brincadeiras com seus filhos. Algumas podem ser super simples e entretê-los por muitos quilômetros como contar carros de determinada cor, plaquinhas de quilometragem, “fui para a lua e levei”, palavras que comece, com tal letra, ou qual é a música.
  7. Faça paradas surpresas, informe-se sobre um posto de gasolina, parque, lanchonete que ofereça alguma distração e dê uma parada para quebrar um pouco a viagem.

Bom, e não preciso nem falar das regras de segurana ne? Menores de 7 anos devem ir na cadeirinha e, mesmo as maiores, nunca no banco da frente!

Nossa viagem de carro mais recente foi para Florianópolis (a cadeira é a mesma há 9 anos).

Mulher polvo

O Pedro está de férias, eu não. Então tenho me desdobrado para que ele faça programas legais e para fazer programas legais com ele e com a Luiza. Fizemos duas viagens aproveitando o fim de semana e o feriado criado pelo jogo do Brasil. A primeira foi pro Rio, foram 5 dias e foi uma delícia.  Trabalhamos feito loucos na terça, na quarta, na quinta e na sexta e dai fomos para Floripa, para visitar o irmão do Nuno (tio que as crianças são apaixonadas). Pegamos a estrada cheia e serração, mas acabamos chegando antes da meia-noite. Na volta, fizemos uma surpresa para o Pedro, paramos no Beto Carrero World. A previsão era de chuva, mas o dia foi lindo. O parque estava vazio (era segunda-feira) e o dia foi uma delícia.

Agora que eu voltei, o trabalho está super acumulado e preciso me desdobrar. E inventar mais mil programas, já que as férias mal começaram.

As melhores viagens com crianças: Foz do Iguaçu

Destino: Foz do Iguaçu
Idade: 6 anos (Pedro) e 11 meses (Luiza)
Novembro 2009

Quando eu era criança fui muitas vezes a Foz do Iguaçu. Sempre gostei do programa, que incluia, uma tarde em Cuidad de leste, comprar doce de leite e blusas de lã na Argentina, a salada de frutas que fica no castelinho em Céu Azul e Foz, um passeio em Itaipú (que agora é um parque SUPER organizado com tour e museu) e o Parque das Cataratas, que eu adoro!

Há 10 anos o parque foi renovado, quando fomos para lá em fiz um post sobre nosso passei. Mas agora que o video ficou pronto, resolvi falar um pouco mais!

De Curitiba, são 700 quilometros. Nunca fiz este trajeto de avião. Mas há voos de Curitiba ou Sao Paulo. Até 10 anos atrás, o parque era na verdade uma reserva de onde você via as cataratas do Iguaçú. Hoje é um parque temático com mascotes, ônibus double deck decoraro, praça de alimentação (fraquinha), passeios e trilhas MUITO legais para crianças de todas as idades!

Pra mim, o MACUCO SAFÁRI é disparado o programa mais bacana. Nele você faz uma trailha em 3 etapas: primeiro vai de trator, depois faz uma trilha a pé e finalmente, vai de bote até embaixo das Cataratas. É impossível não sair ensopado. Recomendo comprar capas de chuva já na entrada do Parque.

O parque também oferece rapel, trilha de bicicleta e passeios de barco com menos emoção! Há tambem um passeio nas Cataratas em noites de lua cheia. Deve ser muito bonito! Acho o site bastante confuso, é difícil encontrar as atividades nele.

Hospedagem:

No Brasil existem váiras opções de hotel, mas a maioria não é muito charmosa. Os mais completos são o Mabu , Bourbon e  o Hotel das Cataratas (do grupo Oriente Express) que fica dentro do Parque.

Da última vez que eu fui, ficamos num hotel na Argentina. Eu recomendo esta opção pois lá há mais opções de hotéis (inclusive em cima da árvore) e eles são mais baratos (por causa do câmbio). Sem falar que há dezenas de opções de restaurantes com vinhos bons e uma carne deliciosa!!!

O nome do hotel que eu fiquei é Hotel Cataratas, aho que tem uma meia dúzia de hotéis de cada lado, com o mesmo nome. Ele não é novinho, mas é bacana. Na mesma rua, há dezenas de opções!